Carlos Coelho

Quando o meu Aladdin largou o tapete colorido, e começou a andar feito Tarzan destemido, mergulhei num oceano de amor qual Ariel, e percebi que protegê-lo como Hércules é o meu papel: amor de pai vai daqui até Paris e tem sempre final feliz!