Rita Campos

Todos os anos, semanas antes do Natal, fazemos as filhós, tradição que vem do tempo das minhas avós!
A receita segue-se por intuição, os ingredientes passam de mão em mão, os melhores momentos ficam
no coração. Depois de levedada, fritamos a massa que sai do alguidar de barro e que a minha irmã
estica nos joelhos, com a ajuda, já da pequena Marta que quer aprender cedo a fazer filhós. Pouco a
pouco, no tabuleiro, com o mesmo pano branco da minha avó, colocamos, uma a uma, cada filhós
acabada de fritar. Todos na cozinha rimos, falamos, convivemos naquele momento unico que se repete
ha tantos e todos os anos. Pais, irmãos, netos. Finalmente, com um café bem quente, comemos à volta
da mesa redonda e lembramos como eram boas as filhós da avó Rosa ou da bisavó Maria. Assim,
mantemos a tradição que passa de geração em geração e que guardamos, todos, em memorias e no
coração.